EXPOSIÇÃO AFICIONADOS-MSG SRUCP

INFORMAÇÃO AOS AFICIONADOS

MONUMENTO AO FORCADO

Sendo  eu  o  promotor  da  ideia, de  que seja construído um monumento  que consagre condignamente o Forcado, muitos  aficionados têm-me  perguntado o que se passacom esse  meu “velho” sonho. Assimresolvi, por este meio, dar a conhecer a todos, algumas das alegrias,desilusões, solidariedade, resistências inesperadas e aproveitamentosoportunistas que se têm passado e se passam com o referido processo.

A ideia de um espectáculotauromáquico com a finalidade de angariar fundos para o projeto, foi sugeridapor mim a Carlos Pegado grande forcado e, na altura, empresário da praça detoiros de Évora. Respondeu que a praça não tinha capacidade para tal evento. Noentanto no ano seguinte e subsequentes, passou a realizar o espectáculo que eutinha sugerido mas, claro, em benefício próprio e não do monumento.

Posta de parte a ideia deÉvora, pensei na praça do Campo Pequeno. Para sensibilizar a Gerência daSociedade de Recuperação Urbana do Campo Pequeno, entreguei ao Gestor deespetáculos desta Sociedade, Rui Bento Vasques, documentação que demonstrava o apoioda Câmara Municipal de Lisboa, através dos vários Presidentes que neste períodode tempo por ela têm passado, da Comissão Nacional da Cultura, quando o Dr.Pedro Santana Lopes foi seu Presidente. Desenho e descrição do monumento efotografia do modelo existente. Também, o lugar autorizado pela C.M.L. para aimplantação do monumento, o custo da obra e o nome do escultor.

Conheço Rui Bento Vasqueshá mais de vinte anos tendo-o até, acompanhado e auxiliado com artigos eentrevistas, no início da sua carreira tauromáquica. A documentação estava poisbem entregue.

Pensava, com a entregadessa documentação e o natural apoio de Rui Bento Vasques, sensibilizar aGerência da SRUCP para a ideia. Posteriormente,  falar  na realização  em Lisboa  do espectáculo que tinhaidealizado para Évora e de que Carlos Pegado se tinha apropriado.  Mas   novamente  fui ultrapassado pelo expedito Carlos Pegado.Foi ele que propôs e logo aceite pela Gerência da SRUCP, a realização doespectáculo. Claro, sem nenhum benefício para o projeto do monumento.

Por considerar que não sejustificava realizar outro espectáculo idêntico, mas não querendo desistir domeu objetivo, penso levar a efeito uma corrida tradicional. Para tal, tenho detentar conseguir financiamento, a boa vontade dos que nela quiserem colaborar eda SRUCP.

Por essa razão, dirigi àgerência desta Sociedade, a mensagem de que envio cópia.

———————————————————————————————————————————————————————-

 

Da: Comissão Executiva do   Monumento ao Forcado

Lisboa,10 de julho de 2012

 

À Gerência da Sociedadede Recuperação  Urbana do Campo Pequeno

Examos. Senhores

Há cerca de quatro mesesconfiei ao vosso Gestor Artístico, Rui Bento Vasques, documentação referente aoprojeto do Monumento ao Forcado que pretendemos erigir, e estarmos autorizadosa tal, no Jardim do Campo Pequeno, junto à Praça de Toiros.

Afastada a ideia doespectáculo que tínhamos pensado para conseguir o dinheiro  necessário  para prosseguirmos, mantendo a mesma ambição, criámosuma alternativa. Vai ser uma tourada tradicional. Para a levar a efeito, temosque tentar arranjar quem a financie, contar com a boa vontade de artistas,ganadeiros e, até, da vossa própria Sociedade, pois é no Campo Pequeno quegostaríamos de a efetuar.

Para o financiamento,primeiro passo a dar, estamos procurando forma de sermos recebidos pelo SenhorPresidente da Câmara, Dr. António Costa. Quando tal acontecer, julgamos  útil levar  a documentação  que entreguei a Rui Bento Vasques.

Por ter sido a ele queconfiei tal documentação, pedi-lhe o favor de a deixar na receção pois que airia lá buscar. Como nas várias vezes que falei para a receção, me foi dito quenada tinham, resolvi telefonar-lhe   diretamente. Disse  nada  ter que  ver com  o assunto, pois tinha dado toda a documentação ao Dr. Henrique Borges.

Dado o bom relacionamentode cerca de vinte anos, existente entre nós, razão porque lhe confiara a  documentação, tal  despreendimento  foi inesperado mas…

Há cerca de mês e meio, falandopessoalmente com o Dr. Henrique Borges, foi-me dito que tinha que  procurar os documentos  no meio de toda apapelada que estrava em cima da sua secretária. Compreendi esta situação poisuma Empresa como a SRUCP é, certamente, muito trabalhosa.

Pacientemente, passei atelefonar para a receção a saber se os documentos já lá estavam, já que nuncamais tive oportunidade de falar com o Dr. Henrique Borges. Cheguei mesmo apedir ao Dr. Paulo Pereira, aliás sem resultado, o favor de se interessar pelocaso.

As minhas diligênciaspara uma entrevista com o Senhor Presidente da Câmara, têm estado paradas àespera da devolução dos citados documentos. Esse  o  motivoporque me  dirijo agora a VossasExcelências.

Exposta a razão da minhainsistência da qual, desde já, peço desculpa, agradeço que se interessem pelonosso problema e o resolvam rapidamente.

Com toda a consideração,

Pela Comissão Executivado Monumento ao Forcado

Carlos Patrício Álvares

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Projeto Monumento ao Forcado

Comissão Executiva do Monumento ao Forcado

Rua Capitão Humberto de Ataíde, nº 1 – 3º Frte

1170-071  LISBOA

        

Lisboa,30 de Janeiro de 2008

Exmo. Senhor

Vereador Marcos da Cunha e Lorena Perestrello de Vasconcelos

No nosso espectáculo tauromáquico o Forcado é o elemento mais genuinamente português, aquele cujas motivações mais se coadunam com as nossas características rácicas e culturais. A “Arte de Pegar Touros” é portuguesa. É uma tradição do nosso povo. Autêntico ex-libris de Portugal, é impressão digital que nos identifica e distingue dos outros povos e nações. Merece pois que a sua imagem seja perpetuada de forma digna e encomiástica. Esta convicção levou um grupo de antigos forcados a formar uma Comissão Executiva com a finalidade de erguer um monumento em honra dessa figura tão popular e querida de grande parte do povo português.

Pela documentação que juntamos, cópia da que enviámos em Outubro ao Senhor Presidente da Camara Municipal de Lisboa, poderá avaliar melhor o projeto e o seu desenvolvimento.

Como dizemos nessa correspondência, estimulados com o ofício Nº OF/707/GVAP/06 que a C.M.L. nos mandou, iniciámos de imediato contactos com vista a obtermos financiamento que nos permita alcançar o nosso objetivo. Conseguimos já algumas adesões e criámos compromissos, que só se justificarão com a construção do referido monumento. Tal situação é que nos leva a escrever esta carta.

Como poderá verificar, a nossa ideia não teve qualquer oposição e teve até explicito apoio dos grupos políticos mais representativos existentes na C.M.L. Todavia a responsabilidade é grande. Temos que ter certezas. Isso leva-nos a pretender saber se continuamos, como esperamos, a poder utilizar o espaço público que nos foi concedido pelo já referido ofício, para a implantação do Monumento ao Forcado.

Agradecendo o interesse que se dignar tomar por este assunto, ao dispor para quaisquer esclarecimentos que considere úteis, ficamos aguardando a sua resposta.      

                 Pela Comissão Executiva do Monumento ao Forcado

À Direção Municipal de Cultura

Sobre uma exposição dirigida pela Comissão Executiva do Monumento ao Forcado, ao Senhor Presidente da Câmara de Lisboa, Dr. António Costa, recebemos em 05-03-2012 o OF/99/GVCVP/12 da Senhora Vereadora da Cultura, Dra. Catarina Vaz Pinto, informando ter sido a nossa exposição, reencaminhada para V Ex as., “visto serem quem tem competência na área em questão”. Não sendo este reencaminhamento, certamente, só um expediente dilatório, confere à DMC uma importância capital na possível concessão do financiamento pedido.

Como podem verificar pelo texto reencaminhado pela Senhora Vereadora da Cultura que, aliás, como diz, “lhe  deu  a melhor atenção”, o monumento tem recebido os pareceres bastante favoráveis das entidades contactadas. Temos pois esperança de  que o parecer da DMC seja igualmente positivo,

Com respeitosos cumprimentos

Pela COMISSÃO EXECUTIVA DO MONUMENTO AO FORCADO – CARLOSALVARES4@GMAIL.COM

Carlos Patrício Álvares

UMA LUZ AO FUNDO DO TÚNEL?

Lisboa, 23 de outubro de 2011

Escrevi em tempo de esperança. Publicito em tempo de desânimo.

É sabido. Ao verdadeiro Forcado, apenas a Morte ou a enfermaria o fazem desistir de realizar a pega. Na Comissão Executiva do Monumento ao Forcado (CEMF), existe o mesmo espírito de luta, o mesmo querer e determinação.

Há muitos anos que a CEMF batalha pela concretização do projeto que motivou a sua formação- um Monumento que consagre condignamente a memória do Forcado, um dos maiores representantes do espírito de aventura e valentia, da gente lusa.

Com persistência de Forcado, aguentando  estoicamente  os inesperados  derrotes que foi e vai sofrendo, a CEMF conseguiu a estrutura do Monumento da qual existe um modelo. Autorização camarária para a sua implantação junto à Monumental Lisboeta. O Monumento, ser considerado de INTERESSE CULTURAL pelo Ministério da Cultura.

No entanto, conseguidas estas “vitórias”, quando já se antevia o êxito da “pega”, surgiu um derrote demolidor. O financiamento da obra.

Foi ao tentar resolver esse problema que a CEMF, foi confrontada com impensáveis reações negativas.

Logo que a Associação Nacional dos Grupos de Forcados (ANGF) se formou a CEMF, esperançosa, escreveu-lhe. Assim como aos grupos nela inscritos, dando notícia  do projeto  e pedindo  a  sua  colaboração. Sendo uma iniciativa com a finalidade de homenagear de forma adequada o Forcado, certamente seriam os primeiros interessados em apoiá-la.

Na tentativa de obter os meios necessários para prosseguir o seu intento a CEMF, pensava organizar um ou dois espetáculos e precisava da sua participação. Estranhamente a ANGF não respondeu. Os grupos nela  filiados, talvez por obediência sectária, tiveram idêntico comportamento. Nenhum dos visados respondeu ao apelo. Mas a CEMF não se deu por vencida.

Anos mais tarde, sempre com a ideia de “concretizar a pega” , sugeriu a um empresário a realização de um espectáculo só com forcados, executando as várias modalidades de pegas existentes. Seria um acontecimento inédito. Dada a popularidade do  Forcado,  de certo atrairia muito público.

O empresário contatado gabou a ideia mas considerou-a inexequível na sua praça. No ano seguinte porém, passou a organizá-lo todos os anos, na referida praça. Com o êxito que a CEMF previa. Evidentemente sem ser a favor do Monumento.

Mas a ideia subsiste. Embora já um tanto desvalorizada. Perdeu o impacto da novidade, da originalidade. No entanto, apesar disso, a CEMF não se dá por vencida. Irá  apresentar  à  SRUCP a sua ideia.

Esta Sociedade, desenvolvendo com interesse, aficion e assinalável sucesso a sua atuação empresarial, logo dirá se é ou não oportuna e rentável, a realização de tal espectáculo.

Porém, mais ideias para tirar do tauródromo lisboeta, a rentabilidade suficiente para terminar a tarefa a que meteu ombros, não faltam à CEMF. Só que, desta vez, só à SRUCP as irá divulgar.

A boa vontade já expressa pela Administração desta Sociedade, onde é grande a simpatia pelo Forcado, levam a CEMF a estar otimista quanto ao desfecho da “pega” Com uma primeira ajuda desta qualidade, o êxito está garantido.

Finalmente a CEMF vê UMA LUZ AO FUNDO DO TÚNEL (túnel que tem, diga-se, uns vinte anos (!) de extensão)

COMISSÃO EXECUTIVA DO MONUMENTO AO FORCADO

Carta à C.M.L.

Lisboa, 16 de abril de 2012

 

Ex mo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Dr. António Costa

 

Em referência ao 0F/618/GP CML/12 de 15-02-2012, resposta a uma exposição por nós feita, achámos por bem informar do seguimento que teve o nosso PEDIDO DE FINANCIAMENTO. Que, segundo o ofício já referido, “mereceu a melhor atenção do Senhor Dr. António Costa”.

 

Também lemos que da parte do Município, havia desejo de que se reunissem condições que  “permitissem dar uma resposta mais célere” .

Agradecemos o interesse demonstrado.

 

Tal facto levou-nos igualmente a considerar ser nosso dever informar do andamento do processo. Essa a  razão  porque juntamos o ofício que dirigimos à Direção Municipal de Cultura, com a expetativa de que, como o Município, deseje dar “uma resposta célere”.

 

Com os melhores e respeitosos cumprimentos

 

Pela COMISSÃO EXECUTIVA DO MONUMENTO AO FORCADO-CARLOSALVARES4@GMAIL.COM

Carlos Patrício Álvares